top of page
  • Foto do escritorInstituto Não Aceito Corrupção

4º Prêmio Não Aceito Corrupção

Por:  Rodrigo Augusto Prando


Consonante com seus objetivos e valores, o INAC – Instituto Não Aceito Corrupção – promoveu, no dia 25/03/24, evento singular com a premiação dos participantes do 4º Prêmio Não Aceito Corrupção.

 

Foram, portanto, inscritos, avaliados, selecionados e premiados pesquisas acadêmicas, jornalismo e ações empresariais que promovem a conexão de ideias e ações concretas contra as práticas de corrupção no Brasil. Com o prêmio, o INAC objetiva sensibilizar, mobilizar e disseminar princípios e soluções visando combater práticas que prejudicam o Brasil, mormente, nossa democracia e a economia. As categorias, nesta edição, foram: Acadêmica, Tecnologia e Inovação, Governança Corporativa, Jornalismo Investigativo, Comunicação Local e Experiência Profissional. Além dessas categorias, houve, ainda, Menção Honrosa no âmbito da Integridade no Esporte, sendo agraciados a jogadora de basquete Janeth Arcain e João Paulo Diniz (in memorian).

 

A própria leitura dos títulos dos finalistas – e entre parênteses o vencedor -  já é um bom indicativo daquilo que, em termos de reflexões e ações, mobilizam a inteligência e o senso crítico e cívico. Na categoria Academia, temos: “Escândalos de corrupção em frigoríficos no Brasil”, de Hassan Neto, Luca Giannella, Pietra Fochi e Yuma Ono; “Família e corrupção: a instituição familiar como mantenedora dos bens provenientes de atos corruptos”, de Marina Wainrober, Caroline Ribeiro, Juliana Tavares Pimentel, Isabela Ruiz Negrão e Livia Esposito da Silva; “O Vaticano como novo ator no cenário anticorrupção”, de Thaís Hardman Corazza; “A relação entre as liberdades política e econômica e a percepção de corrupção nos países: um estudo de corte transversal (vencedor), de Vitor Santos e Paulo Rogério Scarano e “Algemando o Leviatã: o equilíbrio entre os poderes do Estado e da sociedade contra a corrupção”, de Welles Matias de Abreu e Ricardo Côrrea Gomes.

 

Já na categoria Tecnologia & Inovação, os seguintes trabalhos: “Desenvolvimento de plataforma digital Revista de Direito e Análise da Corrupção” (vencedor), Altieres de Oliveira Silva, líder do Grupo de Pesquisa; “Criptoativos e a lavagem de dinheiro no Brasil”, de Caíque Cescon Smaniotto; “Transformando a luta contra a corrupção: o papel revolucionário da Inteligência Artificial em procedimentos licitatórios” e “Brasil Transparente”, de Julio Ferreira.

 

Em Governança Corporativa, temos: “Previne Niterói”, de Arlindo Nascimento Rocha; “Transparência pública como mecanismo de combate à corrupção” (vencedor), Fabiano Ricardo Boro Alves; “Semana da Integridade (Arteris)”, Inaê Sales de Oliveira; “Guia Gestão de Integridade Privada – GGPIP”, Marcelo Greggo e “Programa Conduta Consciente, Punição Ausente”, Pricylla Wanna Lopes Xavier.

 

Na categoria Experiência Profissional, os finalistas foram: “Enfrentando o superfaturamento em obras públicas”, de Alan de Oliveira Lopes; “Resultados da aplicação de teste de honestidade em funcionários de uma empresa privada que possui programa de integridade implantado” (vencedor), de Gilberto Araújo Couto; “Apresentação da TORI – Técnica Organizada de Rastreamento de Improbidade”, de João Claudio Pizzato Sidou, José Alexandre Zachia Alan, Marco Aurelio Martins Costa e Fabio Benites Tramasoli; “A prevenção da corrupção: método de resolução para o conflito de interesse”, de José Maurício Linhares Barreto Neto e “Programa de Integridade do governo de Mato Grosso”, de Rodrigo Morais de Amorim, Christian Pizzato, Priscila Alves, Deuzi Cunha, Diego Costa e Andre Silva.

 

Em Jornalismo Investigativo, temos: “Hospital da turma de Arthur Lira recebeu 1 bilhão em 7 anos/Clientes da empresa de Lira Filho faturaram R$ 5 milhões na Caixa”, Alice Maciel, Thiago Domenici, Rubens Valente, Bruno Fonseca, Breno Pires – da Agência Pública; “Calote bilionário na Caixa”, Amanda Rossi – UOL; “Emendas distorcem envio de verbas para acesso à água”, Artur Rodrigues, Flávio Ferreira, João Pedro Pitombo, Cristiano Martins, Eduardo Knapp, Mathilde Missioneiro, Pedro Labigalini, Henrique Santana, Augusto Conconi, Renata Moura e Luciano Vernonezi – Folha de S. Paulo; “Farra ilimitada: o orçamento secreto patrocina um festival de fraude no SUS” (vencedor), Bren Pires – Revista Piauí e “Bônus secreto na Câmara do Rio”, de Marcelo Martins Buzzi, Marcelo Gomes, Anita Prado, Guilherme Ramalho, Ávilis Muniz, Henrique Pinho, Hygor Lemos, Jade Curvello e Rodrigo Belga – GloboNews e Globo.

 

Na categoria Comunicação Local, com os seguintes trabalhos: “Manobra da educação injetou R$ 14 milhões em associações de pais e mestres”, de Cristiano Pavini – Farolete; “Medicamentos dos Yanomamis eram vendidos por garimpeiros”, Fred Santana e Fábio Bispo – InfoAmazonia e Vocativo.com (vencedor); “Série Irregularidade na Câmara de São Sebastião”, Helton Romano – Nova Imprensa; “Série EMUSA em Niterói”, Lucas Soares da Costa, Bette Lucchese, Lucas Von Seehausen, André Maciel, Willian Corrêa e Guilherme Peixoto – TV Globo e G1 e “Série SMED”, Pedro Nakamura – Matinal Jornalismo.

Houve, por fim, o reconhecimento ao “Professor Inspirador”, Luiz Carlos de Macedo Soares, Reitor da UNIVEM, e o “Grande Prêmio”, concedido a Gilberto Araújo Couto, que foi o vencedor da categoria “Experiência Profissional”.

 

O dia 25/03/24 marcará, de forma indelével, não apenas aqueles que foram finalistas ou premiados. Todos, ali na Assembleia Legislativa de São Paulo, estavam conectados por um sincero desejo de - ao se combater a corrupção, em todos os seus níveis, nas esferas pública e privada – lutar por uma sociedade que tenha como primado o respeito ao Estado Democrático de Direito, aos princípios republicanos e a necessidade de constante vigilância e apreço pelos valores democráticos. Todos, indistintamente, merecem o reconhecimento por suas atividades cívicas, por uma cidadania ativa e comprometida com a integridade, com a ética e com a transparência.

 

P.S.: podem, caso queiram, acessar os trabalhos neste link: https://www.naoaceitocorrupcao.org.br/post/4º-prêmio-não-aceito-corrupção-ganhadores

 

 

Rodrigo Augusto Prando é professor universitário e pesquisador. Graduado em Ciências Sociais, Mestre e Doutor em Sociologia pela Unesp. Membro da Comissão Permanente de Estudos de Políticas e Mídias Sociais do Instituto dos Advogados de São Paulo e voluntário do Movimento Escoteiro.

10 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Kommentare


bottom of page