top of page
  • Foto do escritorInstituto Não Aceito Corrupção

O afastamento de Rubiales pela Fifa é divisor de águas

ROBERTO LIVIANU 29 AGOSTO 2023


Depois de ter a seleção espanhola conquistado a Copa do Mundo Feminina, em 20 de agosto, durante o evento de premiação, o presidente da Federação Espanhola de Futebol, Luis Rubiales, beijou a boca da atacante Jenni Hermoso. O dirigente declarou que o ato teria sido consentido.


Entretanto, o ato abusivo foi cometido de forma pública, diante do mundo, visto por milhões de pessoas em diversos países e a vítima repele a versão de Rubiales. Hermoso afirma categoricamente que não consentiu, que houve assédio sexual.


Se ela não consentiu e o diz com firmeza e se todas as demais atletas se solidarizam com ela, é quase impossível de classificar a tentativa do dirigente espanhol de tentar transferir para a vítima a responsabilidade pelo fato.


A declaração de Rubiales foi recebida como profundamente violadora à dignidade sexual de Hermoso, em face do que as 23 jogadoras da seleção espanhola, entre outras atletas, reagiram com nota pública. As campeãs mundiais deixaram claro que só voltarão a defender o país quando o presidente abrir mão do cargo, o que ele se recusa a fazer.


O uso abusivo de poder por parte do dirigente esportivo espanhol ao insistir em permanecer no cargo e pretender fazer uso dele para auto blindagem e inversão das responsabilidades é algo verdadeiramente chocante. Assim como a construção de narrativas artificiais demonizando a vítima, como se ela fosse a responsável pelo fato.


O Comitê Disciplinar da Fifa, presidido pelo colombiano Jorge Iván Palacio, felizmente, anunciou no sábado (26.ago.2023) a suspensão provisória de Luis Rubiales, presidente da Federação Espanhola de Futebol, por 90 dias.


Nesta mesma Espanha, reiterados atos de racismo foram cometidos nos últimos meses contra o jogador Vini Jr. de forma ostensiva em partidas oficiais em diversos estádios. Chegou a ter parcela significativa do público presente no estádio pronunciando coletivamente expressões racistas. As ofensas escalaram a ponto de tornar Vini Jr. um símbolo mundial de luta antirracista por sua postura corajosa e resiliente diante de tudo.


A incompreensível demora na tomada de providências por parte da mesma Federação Espanhola de Futebol de Rubiales foi notada por todo o planeta. Foi necessário que um movimento internacional ganhasse densidade e envolvesse as pessoas em diversas partes do mundo com diversos protestos para que as coisas se modificassem.


Isto ocorre exatamente 60 anos depois do histórico discurso “I have a dream”, de Martin Luther King, um dos momentos mais sublimes da história da defesa dos direitos civis da humanidade, cujo ponto central era a luta pelo direito à igualdade.


Há pouco mais de 2 anos, uma funcionária da CBF (Confederação Brasileira de Futebol) acusou formalmente Rogério Caboclo, então presidente da entidade também pela prática de assédio sexual e moral contra ela. Caboclo foi afastado da presidência 2 dias depois das acusações protocoladas pelos advogados.


Lamentavelmente, no universo da CBF, Caboclo fez parte de uma geração de dirigentes afastados do poder por atos abusivos –Marco Polo del Nero, Ricardo Teixeira, José Maria Marin–, com graves condenações e pesadas penas, inclusive na esfera criminal. Todos foram afastados em definitivo do mundo do futebol.


Recentemente, a Lei Geral do Esporte trouxe um novo regramento, um novo entusiasmo, uma nova disciplina e novos ares para o mundo esportivo. A nova legislação inclusive define o crime de corrupção privada no âmbito esportivo.


Como é sabido, temos certamente um longo caminho a trilhar. Infelizmente há uma cultura enraizada no Brasil, na Espanha e em diversos outros lugares de abuso de poder, opacidade legislativa, impunidade, racismo e machismo que demanda uma revolução pela transparência democrática humanista.


A decisão da Fifa no sentido de afastar o dirigente espanhol representa um histórico divisor de águas, um sopro alentador diante de tantas injustiças e iniquidades. Espera-se que se torne definitiva e que sempre prevaleça o respeito à dignidade humana. O Brasil precisa urgentemente aperfeiçoar seu regramento no que diz respeito à nossa CBF, que precisa ser mais transparente, ter compliance e accountability como todas as organizações do planeta. Que cada um faça sua parte.


11 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Tentaram o golpe, mas a democracia venceu…

ROBERTO LIVIANU 14 FEVEREIRO 2024 | 5min de leitura Quando veio à tona o teor da reunião ministerial de 22 de abril de 2020, um mês depois do início da pandemia, nos defrontamos com uma das facetas ma

bottom of page