top of page
  • Foto do escritorInstituto Não Aceito Corrupção

O Bar do Lúcio

Roberto Livianu: a política como inspiração para os bares da capital


Depois de mais de 30 anos como funcionário público em Brasília, Lúcio Flávio conquistou a tão sonhada aposentadoria e colocou o pé na estrada, numa espécie de período sabático.


Sempre foi muito querido na repartição pela lealdade aos colegas, por não arrumar confusão e nem se dedicar a fazer intriga sobre a vida alheia. Também pelo proverbial bom humor carioca e por ser um dos maiores tomadores de cerveja da capital federal. Lúcio Flávio, o bom companheiro.


Após as longas férias pós-aposentadoria, ele resolve começar a pensar no que vai fazer da vida. A partir do ótimo universo de relacionamentos que construiu, do carisma e pelo amor à cerveja, resolveu abrir um bar perto do Pontão.


Juntou as economias, arranjou um financiamento, bolou um cardápio bem-humorado, combinando com sua essência, e em meses inaugurou o Bar do Lúcio. Tira-gostos elaborados, sandubas especiais, cervejas artesanais e ótimo ambiente. O bar logo vira point da capital, frequentado pelos jornalistas.


Logo vem à tona o escândalo do senador Chico Rodrigues, vice-líder do então governo Bolsonaro, pego com R$33.000 nas nádegas. O assunto monopoliza o debate nacional, inclusive pela total ausência de explicação razoável do congressista. Não poderia escapar da mesa do Bar do Lúcio.


Lúcio Flávio aproveita o gancho, não hesita e no dia seguinte coloca placa na frente do bar, assinalando que o estabelecimento aceita pagamentos em dinheiro, com destaque em letras maiúsculas: desde que proveniente das carteiras dos clientes.


O fato virou notícia e chacota nacional, mas nem por isto o senador foi punido pela Comissão de Ética. A impunidade mais uma vez prevalece. E, conforme reportagem da Repórter Brasil publicada em março de 2021, um avião que circulou em 2018 em garimpo ilegal na terra yanomami pertencia ao mesmo senador.


Tal cenário fez com que a piada de Lúcio Flávio ganhasse especial lastro e, de certa forma, produzisse engajamento social e até o surgimento de uma hashtag #renunciaChico33.


Após as eleições de outubro de 2022, baixada esta poeira com a profusão de novos escândalos, a Câmara cogita eleger o ex-ministro do Meio Ambiente (eleito deputado federal) como presidente da Comissão do Meio Ambiente, desconsiderando o fato de estar sendo investigado por escândalos envolvendo crimes de madeireiros.


Chico Rodrigues, por seu lado, acaba de ser eleito presidente da comissão temporária sobre a situação dos yanomamis. Na contramão de sua missão, declara que a cultura desses indígenas é “totalmente primitiva”. Conhecido como pró-garimpo, já quis regularizar a atividade em terras indígenas. É como se tivessem elegido “a raposa para proteger o galinheiro”.


Lúcio Flávio está reunido com sua equipe de marketing para pensar uma série de novas ações e homenagens, renomeando drinks e pratos a partir de episódios envolvendo política e corrupção no Brasil. O trabalho seguramente será árduo.


Este texto é uma crônica, com narrativa ficcional, produzida pelo articulista Roberto Livianu.


https://www.poder360.com.br/opiniao/o-bar-do-lucio/

11 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page