top of page
  • Foto do escritorInstituto Não Aceito Corrupção

A efemeridade do poder


ROBERTO LIVIANU 06 JUNHO 2023 | 2min de leitura


Terno risca de giz, camisa branca, gravata marinho, sapato preto brilhando de graxa novinha em folha, charutos Cohiba sempre a tiracolo, sua marca registrada. O olhar inconfundível de “você sabe com quem está falando?” .


Os cabelos restantes grisalhos sempre alinhados, o passo firme, a barriga saliente, resultado de muito uísque e hábitos de glutão de Armando Ronaldo, já na virada dos setentinha.


Depois de longa carreira no funcionalismo público, em Brasília, Armando tinha sido nomeado para cargo de chefia na repartição e a partir dali se tornara um ser simplesmente insuportável. Aquela frase que se conhece alguém quando se entrega a ele dinheiro e poder se encaixava nele como luva. O antes e o depois de ter assumido este cargo de confiança pareciam mostrar duas pessoas absolutamente diferentes uma da outra.


O amável, doce, gentil e cavalheiro Armando simplesmente deixou de existir diante do poder nele investido, que o transformaram num déspota. Manipulador, cruel e calculista, pensava só em extrair todos os benefícios que aquela função poderia lhe oferecer. Usufruia na plenitude daquilo tudo, inclusive maltratando e assediando subalternos, usando abusivamente de carros oficiais para fazer favores a quem lhe interessava bajular.


Armando tornou-se absolutamente cego e insensível em relação a tudo e todos, afastando-se das pessoas, deixando de construir verdadeiros laços de amizade. Vivia apenas aquelas relações interesseiras, os jogos do poder oportunistas com pessoas que queriam usá-lo e que ele queria usar.


Armando Ronaldo contraiu o vírus da covid-19 e, internado, teve problemas graves de oxigenação, foi parar na UTI. A vida ficou fora do eixo literalmente por duas semanas e absolutamente ninguém se importou consigo. Ninguém esteve no hospital para visitá-lo, nem sua ex-mulher, nem seus filhos já adultos que tinham suas vidas e responsabilidades.


O filme de sua vida passava diante de si no quarto do hospital, especialmente em relação aos últimos 4 anos em que havia conquistado o novo cargo. Tentava fazer ao longo daqueles dias de internação uma avaliação dos prós e dos contras. Recebeu alta. Uma semana depois de retornar ao trabalho recebe a fatídica notícia de que o diretor da estatal, com quem mantinha antigos laços, havia sofrido um infarto e sua substituta era uma mulher com fortes convicções feministas, que avisou Armando que dentro de 15 dias assumiria uma nova chefe em seu lugar.


Foi como se o chão literalmente se abrisse sob seus pés. A ficha começou a cair e Armando Ronaldo parecia se dar conta do quanto perdeu ao longo daqueles anos isolado de todos. Mesmo assim, tentou se movimentar para usar seus últimos cartuchos de poder para acomodar interesses, atender pedidos, fazer favores e privilegiar pessoas, inclusive precisava deixar assinadas algumas gratificações para cupinchas seus e indicações para promoções de outros.


Eis que chega seu último dia de trabalho como chefe. E aparece elegante, com energia aparentemente renovada, lenço no bolso combinando com a gravata, abotoaduras de ouro. Dá seus últimos despachos e se despede com um aceno de mão geral, caminhando pelo centro do salão, como se estivesse desfilando no Baile da Ilha Fiscal. Armando tinha tempo de serviço, requereu aposentadoria, mudou-se e nunca mais se soube dele. Simplesmente escafedeu-se.


16 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Kommentare


bottom of page