top of page
  • Foto do escritorInstituto Não Aceito Corrupção

Boicote a judeus, de novo, 91 anos depois

ROBERTO LIVIANU 23 JANEIRO 2024 

 

Em 1º de abril de 1933, ou seja, há quase 91 anos, teve início o Judenboykott. Exatamente naquela data, Adolf Hitler declarou um boicote nacional aos negócios dos judeus, que foi a 1ª ação coordenada do regime nazista contra os judeus na Alemanha.

 

Os boicotes, os guetos, os campos de concentração e o Holocausto foram elementos conceituais componentes de uma escalada absolutamente escabrosa, uma empreitada que determinou o extermínio impiedoso de mais de 6 milhões de judeus.

 

Foram ao todo dois terços dos judeus que viviam na Europa e mais de 90% dos judeus que viviam na Polônia, conforme narrativa do jornalista e escritor sobrevivente de Auschwitz Elie Wiesel, Prêmio Nobel da Paz. Nas palavras de Carlos Heitor Cony, o holocausto contra os judeus foi a maior mancha da História.

 

Eis que em 7 de outubro de 2023, às vésperas de ser assinado um acordo de paz entre Israel e Arábia Saudita, que poderia trazer paz para judeus e palestinos, o grupo extremista Hamas, que prega a destruição de Israel e a morte de todos os judeus, invadiu o território israelense e começou a matar e sequestrar civis israelenses inadvertidamente. É o pior ataque em solo israelense desde a criação do Estado de Israel, em 1948.

 

O Hamas se aproveitou da fragilidade política do primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, para realizar o ataque. Apesar de o grupo extremista ser de origem palestina, a iniciativa do ataque não pode ser atribuída aos palestinos como um todo, pois Hamas não representa o povo palestino. Contudo, o grave ataque do grupo extremista permitiu a Israel o direito de reagir.

 

A questão que obviamente surgiria: quais os limites para a reação? Segundo Israel, os alvos seriam todos ligados ao Hamas e a reação teria o objetivo de enfraquecer, derrotar e liquidar o inimigo. Entretanto, ao atacar alvos do Hamas, civis palestinos são atingidos, inclusive crianças, o que, segundo Israel, deve ser computado como dano colateral inerente à guerra a qual deu início o Hamas, que se recusa a libertar os reféns, condição exigida por Israel para cogitar discutir qualquer espécie de cessar-fogo.

 

Alguns países árabes e do Oriente, alinhando-se aos palestinos, demonizam Israel, desconsiderando o fato de este ter sido covardemente agredido, de ter seus cidadãos mortos, sequestrados e estuprados e até hoje mantidos em cativeiro.

 

Há duas semanas, o Brasil alinhou-se a outras nações, apoiando oficialmente a petição sul-africana contra Israel na Corte Internacional de Justiça, contendo acusação contra Israel por genocídio cometido na Faixa de Gaza e por impedir a investigação e a punição daquele crime. A atitude do governo produziu reações por parte de diversos segmentos representativos da comunidade judaica no Brasil, especialmente a Confederação Israelita do Brasil.

 

Depois do boicote de 1º de abril de 1933, veio a Noite dos Cristais, em 1938. Na sequência, eclodiu a 2ª Guerra Mundial, que durou de 1939 a 1945, e foram criados a ONU e Israel; o homem chegou à Lua, constatando que a Terra não é plana; tivemos o lançamento do satélite Sputnik; a inauguração de Brasília; a Guerra do Vietnã; e as guerras da Coreia e do Afeganistão.

 

Houve ainda a Guerra Fria; a queda do Muro de Berlim; a internet; o celular; o fim da União Soviética; a Guerra do Golfo; as Diretas Já; a criação da União Europeia; a Primavera Árabe; a pandemia de covid-19; a eleição de Obama; muitos papas; nasceu Mandela, viveu Mandela e morreu Mandela…

 

Ou seja, depois destes últimos 91 anos, quase 1 século, do horripilante e humilhante boicote aos judeus, que envergonhou a civilização, a história mudou muito.

 

Quem imaginaria que depois de toda essa sequência complexa de acontecimentos, mesmo depois de os alemães pedirem perdão aos judeus pelo boicote e por todos os horrores do Holocausto, que o ex-presidente do Partido dos Trabalhadores José Genoino, que já foi condenado por corrupção (ainda que tenha prescrito) na ação penal do Mensalão (ação penal 470), pregaria em pleno ano de 2024, novamente o boicote genérico e indiscriminado a empresas de judeus.

 

O que os judeus do Brasil têm a ver com as atitudes dos governantes de Israel? Por que punir empresários que produzem riqueza e empregam centenas de milhares de pessoas, pelo simples fato de alguns judeus terem exercido o direito de criticar o apoio do Brasil à acusação de genocídio a Israel? Todo juízo generalizante tem potencial de resultar em injustiças.

 

Desde a eclosão da guerra, em 7 de outubro, o antissemitismo e a islamofobia vêm aumentando exponencialmente em todo o mundo e atitudes como essa do ex-congressista vão na contramão do bom senso, da tolerância e da cultura da paz, contribuindo tristemente para a difusão do ódio, da triste memória para a humanidade.

 

12 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Tentaram o golpe, mas a democracia venceu…

ROBERTO LIVIANU 14 FEVEREIRO 2024 | 5min de leitura Quando veio à tona o teor da reunião ministerial de 22 de abril de 2020, um mês depois do início da pandemia, nos defrontamos com uma das facetas ma

bottom of page