top of page
  • Foto do escritorInstituto Não Aceito Corrupção

Povo sem memória é povo sem história: 60 anos do golpe devem ser lembrados

ROBERTO LIVIANU 02 ABRIL 2024 | 4min de leitura

 

Sessenta anos depois do golpe militar que lançou o Brasil em uma ditadura que durou 21 anos, ainda restam, por mais incrível que possa parecer, 918 cidades, ruas e praças cujos nomes homenageiam os presidentes da República dessa triste memória de nossa história. O levantamento é do jornal Estado de S.Paulo.

 

Recentemente, diversos municípios foram criados com nomes de chefes de governo do último período autoritário da história do Brasil, como Medicilândia (PA), Presidente Médici (RO), Presidente Castelo Branco (PR), Presidente Castello Branco (SC) e Presidente Figueiredo (AM).

 

A pesquisadora e professora Heloísa Starling diz que homenagear presidentes do tempo da ditadura militar, dando seus nomes a locais públicos, reforça o imaginário autoritário ao invés do democrático. “Quando você dá nome de pessoas à rua, está dizendo que a pessoa fez um grande feito e precisa ser lembrada pelo feito. O feito desses generais foi a ditadura militar”, disse.

 

Assim são distribuídas as homenagens, por unidades da Federação, em ordem decrescente:

São Paulo – 164;

Bahia – 78;

Rio de Janeiro – 76,

Minas Gerais – 73;

Pernambuco – 64;

Pará – 53;

Paraná – 50;

Espírito Santo – 43;

Rio Grande do Sul – 43;

Maranhão – 41;

Mato Grosso – 33;

Rio Grande do Norte – 30;

Ceará – 29;

Santa Catarina – 29;

Goiás – 24;

Amazonas – 19;

Paraíba – 13;

Roraima – 12;

Piauí – 11;

Tocantis – 9;

Mato Grosso do Sul – 5;

Acre – 4;

Alagoas – 4;

Amapá – 4;

Roraima – 4;

Sergipe – 3.

Um dado positivo é que, felizmente, apesar de quase 1.000 homenagens remanescerem, para 71% dos brasileiros (7 em cada 10), a democracia é a melhor forma de governo, segundo pesquisa do Datafolha, divulgada em 30 de março.

 

Apesar de ser positivo o fato de 71% dos ouvidos preferirem a democracia, o resultado mostra uma queda, se observarmos comparativamente os resultados das pesquisas anteriores. Em outubro de 2022, 79% dos brasileiros acreditavam que a democracia era o melhor regime possível. O percentual caiu para 74% em dezembro de 2023 e agora foi a 71%.

 

A pesquisa também indica uma maior indiferença dos brasileiros sobre a forma de regime em que vivem. Em outubro de 2022, eram 11%. Subiu para 15% em dezembro de 2023 e 18% nesse ano.

 

Esse conjunto de informações ganha relevo tendo em vista que no último domingo (29.mar.2024) completou-se um ciclo de 60 anos desde o golpe de 1964, quando se instituiu no Brasil uma ditadura militar.

 

Houve sequestros e tortura. Pessoas desapareceram e centenas de outras tantas foram mortas, como Vladimir Herzog, diretor de Jornalismo da TV Cultura, o qual foi chamado para prestar declarações no DOI-CODI e lá foi morto, sendo declarada falsa causa mortis como suicídio em sua certidão de óbito, além de ser montada uma foto falsa para iludir a opinião pública.

 

O Estado havia se transformado naquele momento em uma impiedosa máquina assassina por meio de núcleos como o chamado Esquadrão da Morte, objeto de investigação e processos criminais pelo então corajoso promotor de Justiça Hélio Bicudo.

 

Por outro lado, nos 200 anos da nossa independência em 7 de setembro de 2022, infelizmente o povo brasileiro foi privado de celebrar os 2 séculos de história tão relevantes, como, por exemplo se celebrou na França no bicentenário da Revolução Francesa ou no bicentenário da Independência Americana.

 

Na França e nos Estados Unidos foram milhares de eventos que envolveram o povo do país de norte a sul, leste a oeste, pouco importando coloração político-partidária por longo tempo. Aqui se usou tristemente a ocasião com oportunismo para palanque eleitoral.

 

O presidente Lula, relembremos, foi um dos participantes protagonistas do Movimento Diretas Já, ao lado de Mário Covas, Leonel Brizola, Ulysses Guimarães e FHC –ação que em 1984 lutou pelo voto direto para presidente da República e teve importância capital para a redemocratização do país.

 

Partindo, portanto, da premissa de ter retornado Lula ao poder a partir de uma coalizão de forças democráticas, diversos movimentos externaram crítica ao fato de ter o governo Lula ignorado os 60 anos do golpe de 1964, sem um posicionamento nesse sentido. O que estaria por trás desse silêncio ensurdecedor de Lula? Prudência ou gestão de riscos?

 

Os graves acontecimentos em 8 de janeiro de 2023, quando houve tentativa de nova tentativa de golpe, com ataque simultâneo às sedes dos Três Poderes da República, subtração e destruição de documentos, dano ao patrimônio público, espancamento de mais de 40 jornalistas, evidenciam que a chama golpista permanece viva depois de premeditado processo de deslegitimação das urnas eletrônicas e de promoção orquestrada de erosão da democracia.

 

Se não tivesse ocorrido a intervenção do STF, além da postura republicana exemplar da cúpula das Forças Armadas, talvez estivéssemos hoje sob nova ditadura e de nada adiantando a resistência da sociedade civil em momentos históricos, como a releitura da Carta aos Brasileiros em julho de 2022, no pátio das Arcadas.

 

Não podemos silenciar jamais, Lula em especial, a respeito de página tão funesta de nossa história. Precisamos preservar a memória daquilo que se passou em nosso país de 1964 a 1985, em respeito aos mortos, torturados e desaparecidos, em respeito à dignidade humana, em respeito à preservação de nossa história, em nome das futuras gerações, para que jamais se repita.

 

26 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Tentaram o golpe, mas a democracia venceu…

ROBERTO LIVIANU 14 FEVEREIRO 2024 | 5min de leitura Quando veio à tona o teor da reunião ministerial de 22 de abril de 2020, um mês depois do início da pandemia, nos defrontamos com uma das facetas ma

Comentarios


bottom of page