• Instituto Não Aceito Corrupção

Pintou um clima

É muito importante fazermos balanço sobre as eleições e conhecermos estes acontecimentos que circulam nas redes sociais.


Tempos eleitorais são extremamente peculiares em todos os sentidos que se possa imaginar. Já falei neste espaço sobre o slogan de campanha com o qual o presidente da Câmara se apresentou candidato à reeleição em Alagoas – e obteve o mandato nestas eleições de 2 de outubro. Sem se preocupar com quaisquer limites referentes ao chamado decoro parlamentar, ele se apresentou com “Arthur Lira é foda” e obteve expressiva votação.


Após as revelações dos graves crimes sexuais contra menores, cometidos pelo vereador carioca Gabriel Monteiro, a Câmara Municipal do Rio cassou implacavelmente seu mandato e impediu sua candidatura a deputado federal. Mas isto não o impediu de ser o principal cabo eleitoral e instrumento político para a eleição de sua irmã Giselle Monteiro (PL-RJ) e seu pai Roberto Monteiro Pai (PL-RJ), respectivamente aos cargos de deputada estadual e deputado federal, tendo os eleitores plena ciência que estavam elegendo a irmã e o pai do abusador de meninas.


No mesmo Rio, aliás, elegeu-se como 2º deputado federal mais votado o ex-ministro Eduardo Pazuello (PL-RJ), depois de todas as acusações dirigidas a ele, em razão de incompetência relacionadas aos episódios trágicos no tempo da pandemia, quando ocupou o cargo de ministro subserviente da Saúde.


O presidente da República foi eleito 6 vezes consecutivas deputado federal pelo sistema das urnas eletrônicas e nunca questionou sua eficácia, elogiada por todo o mundo. Eis que diante dos números desfavoráveis nas pesquisas, começou a disseminar que as urnas eletrônicas não eram confiáveis. A mesma pessoa que foi eleita pelas mesmas urnas durante 24 anos.


Seu oponente, por outro lado, é réu em graves processos de corrupção, que foram anulados. Afirma ele, no entanto, que foi absolvido. Não foi, porque os casos não tiveram julgamento de mérito e só naquele momento se conclui se alguém é condenado ou absolvido. Peculiaridades lamentáveis do jogo da política.


Figuras conhecidas não têm mandato garantido, como José Serra (PSDB), ex-governador de São Paulo, já candidato até a presidente da República. Não conseguiu se eleger deputado federal. Nem Eduardo Cunha, ex-presidente da Câmara. Nem Janaina Paschoal, ao Senado, mesmo tendo sido recordista de votos para a Alesp (Assembleia Legislativa de São Paulo) em 2018 (quis saltar agora ao Senado). Nem Weverton Rocha (PDT-MA), senador maranhense e aliado de Arthur de Lira, que relatou o projeto da lei 14.230/21, destruiu a lei de improbidade. Ele sequer conseguiu chegar ao 2º turno para o governo do Maranhão.


Mas Aécio Neves (PSDB) fez a opção eleitoral correta e conseguiu o mandato de deputado federal em Minas Gerais, apesar de todas as acusações (tecnicamente ele não é ficha suja). O todo-poderoso ex-governador João Doria (PSDB_SP) foi do topo do poder a não candidatura a presidente e a nenhum outro cargo. Frederic Wasseff, o advogado do presidente Jair Bolsonaro (PL), que fez ruidosa campanha em Atibaia, nada obteve além de míseros 3.000 votos para deputado federal.


Peculiar mesmo foi a presença do ex-ministro Sergio Moro (União Brasil-PR) no 1º debate presidencial do 2º turno neste último domingo (16.out.2022), na condição de um quase assessor de Bolsonaro. Moro e Bolsonaro estavam profundamente conectados ao longo do evento, fato que levou nomes de peso da imprensa, como Merval Pereira -sempre defensor de Moro e da Lava Jato-, a considerar que a atitude teve a força de contribuir decisivamente para desmoralizar a trajetória de Moro e a história da Lava Jato, especialmente diante dos gigantes retrocessos na luta anticorrupção ocorridos no atual governo.


A narrativa do PT, no sentido de que Lula foi alvo escolhido seletivamente, com o objetivo deliberado de ser excluído da disputa eleitoral de 2018 e que Moro teria sido premiado pelo beneficiário político da condenação, com sua escolha para o Ministério da Justiça, ainda que não comprovada de forma categórica, adquire a cada dia ares de verdade.


Especialmente porque Moro saiu do governo atirando, denunciando atos de corrupção, sendo tratado consequentemente como traidor pelo presidente. Camisetas com o rosto do ex-juiz foram queimadas em praças públicas pelos seguidores de Bolsonaro. Agora, passados 3 anos do episódio, submete-se Moro, bolsonarista, ao papel de um quase assessor de debate, mesmo consciente do retrocesso devastador na luta anticorrupção promovido por Bolsonaro. Mesmo consciente que Bolsonaro promoveu o fim da Lava Jato.


Outra peculiaridade de campanha: até o último domingo (18.out), o ministro Alexandre de Moraes era tratado de forma deplorável, tendo havido discurso público inflamado do presidente, afirmando que não cumpriria suas ordens, chamando-o de moleque e patife. De repente, a decisão do ministro se tornou icônica e foi lida com ênfase por Bolsonaro, por beneficiar o político em questão, já que Moraes determinou a retirada das redes sociais do oponente conteúdo sobre o episódio com as meninas venezuelanas. Tudo parece se justificar pela reeleição.


Chama a atenção o fato de Bolsonaro não oferecer explicações convincentes sobre o episódio em questão. Ele tinha feito alusão a um recente encontro durante a campanha, quando pilotava uma moto, com um grupo de meninas venezuelanas, bonitas e arrumadinhas em suas palavras, de 14 anos, afirmando que “pintou um clima”, dizendo que, na sequência, entrou na casa onde elas viviam.


Sua postura é muito desrespeitosa às adolescentes porque sugere que elas se prostituíam. E ficou uma ponta solta: por que ingressou na casa das 20 meninas arrumadinhas e belas? Não ofereceu qualquer explicação à sociedade sobre isto, o que, somado ao “pintou um clima” parece ter-se sentido de alguma forma atraído pela beleza das meninas, apesar de ser casado e fazer questão de enaltecer valores evangélicos.


Por maior esforço que tentem fazer os bombeiros defensores do candidato para construir a quadratura do círculo, “pintou um clima” é expressão de uso popular de inequívoco cunho afetivo-sexual. Significa que a fagulha da atração se evidenciou, criando-se forte e quase irresistível atmosfera sexual, que poderia explicar o fato de ter entrado na casa, ainda que não tivesse interesse de manter relações, mas de jogar o jogo da sedução, para ele proibido.


É muito importante fazermos um grande balanço sobre as eleições e conhecermos estes acontecimentos, que rapidamente circulam pelas redes sociais, reveladores de facetas dos postulantes ao poder. Da mesma maneira que o oponente tem aspectos criticáveis, o presidente se comporta moralmente de forma condenável e incompatível com os próprios valores que diz defender.


Mas, mais do que isto: se detectou adolescentes diante de vulnerabilidades humanas e sociais que demandavam ações concretas, deveria ter agido e não o fez, o que é grave descumprimento de seus deveres e profundamente lamentável, afinal está investido e postula a reeleição para o mais importante cargo político do país.


Autor ROBERTO LIVIANU


PROCURADOR DE JUSTIÇA NO MPSP, DOUTOR EM DIREITO PELA USP, ESCRITOR, PROFESSOR, PALESTRANTE, É IDEALIZADOR E PRESIDENTE DO INSTITUTO ‘NÃO ACEITO CORRUPÇÃO’


Leia a matéria acessando o link abaixo no portal Poder 360:

https://www.poder360.com.br/opiniao/pintou-um-clima/


27 visualizações0 comentário