top of page
  • Foto do escritorInstituto Não Aceito Corrupção

Um certo Juca Bala

Roberto Livianu 21 maio 2024 | 3min de leitura

 

As décadas não haviam afetado a fome de poder de Juca Bala. Pense num homem que não admitia a hipótese de largar o osso.

 

Juca era quase totalmente calvo, mas tinha enorme apego aos poucos fios sobreviventes. Das antigas, usava cuecas samba-canção e se perfumava com seiva de alfazema. E mesmo com muita rodagem, ainda fazia certo sucesso com as mulheres, depois da viuvez. Vaidoso, fazia questão de usar cravo na lapela e lencinho da cor combinando.

 

Era antissemita, xenófobo, misógino, racista e gordofóbico, porque Juca, depois de longa estrada, em vez de amadurecer, tinha se tornado lamentavelmente um homem que dava tapinhas nas costas, mas que não primava pela coerência ética.

 

Estar longe dos holofotes do poder seria para ele a morte, pois implicaria em deixar de ser o centro das atenções. Não mais ser procurado. Não ser bajulado. Tornar-se irrelevante. Logo ele, que já tinha sido dirigente sindical e ocupado cargos importantes durante anos na Secretaria da Educação.

 

Não lhe bastava exercer a função pública para a qual foi aprovado em concurso de provas e títulos do honroso cargo de professor universitário do Estado naquela carente unidade da federação nordestina. Seu sangue fervilhava pela política. Dela se alimentava e dependia existencialmente.

 

Mas ao longo da caminhada, sem medir consequências, havia puxado tapetes, prejudicado pessoas e “esfaqueado aliados pelas costas”. Em algum momento, essa conta chegaria, pois o mundo dá voltas.

 

Eis que na reta final da jornada, mesmo alertado que os inimigos que colecionou haviam se tornado poderosos e vetariam sua nomeação, candidatou-se ao cargo de reitor. Os professores votariam, seria formada uma lista tríplice que seguiria para o governador, que poderia nomear qualquer um dos 3.

 

Em tom populista e demagogo, Juca teve boa performance e foi o mais votado, registrando-se que no passado, quando candidatos que ele apoiou não foram os mais votados, articulou mesmo assim suas nomeações argumentando ser prerrogativa constitucional do governador escolher qualquer um dos 3.

 

Mas o argumento não valeu quando se tratava de si, ao se defrontar com a dura realidade de ter o nome rejeitado, sendo nomeado o 2º colocado, o que fez com que fosse tomado de assalto pela ira cega.

 

Começou a manifestar-se de forma raivosa, publicamente criticando rudemente o governador pelo suposto desrespeito decorrente de sua rejeição. Não percebia a corrosão que estava produzindo à sua própria imagem, criando graves consequências para seu futuro político.

 

Decidiu lançar-se candidato a presidente à Associação da Classe dos Docentes, acreditando que se sagraria vencedor, tendo em vista a significativa votação pretérita recebida. Fez o cálculo político que seus colegas poderiam querer oferecer-lhe o mandato classista como uma espécie de prêmio de consolação.

 

Mas faltou visão estratégica elementar, pois cada eleição tem suas circunstâncias próprias e os vídeos publicados em que atacava fortemente o chefe do Executivo por tê-lo rejeitado carbonizaram sua imagem por completo perante os professores eleitores, a mídia e o governador. Circulou a notícia que os vídeos tornaram Juca Bala persona non grata no Palácio do Governo.

 

Os colegas professores pensaram: seria adequado elegermos um líder de classe que se indispõe com o chefe do Executivo? Qual será diante disso seu poder para postular verbas remuneratórias para a classe, um de seus principais papéis?

 

Os mais antigos chamaram Juca Bala para uma conversa dura e o aconselharam a desistir da empreitada política, avaliando que sofreria fragorosa derrota, inclusive porque o candidato situacionista era fortíssimo, sendo muito mais apropriado encerrar sua trajetória e deixar como sua última imagem a expressiva votação conquistada na eleição para reitor.

 

Juca redarguiu, resistiu, sofreu, chorou, tergiversou e gritou, mas, ao final, cedeu. Ao menos um pouco de bom senso lhe restou e escapou do mico.

 

11 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page